top of page

Rejeição do visto americano de turismo é a menor em 9 anos



Rejeição do visto americano de turismo


Em 2023, os EUA recusaram 11,9% das solicitações de visto de turismo realizadas por brasileiros. Trata-se de uma queda em relação aos 14,5% observados em 2022 e da menor taxa de rejeição dos últimos nove anos. Contudo, ainda está abaixo dos patamares mínimos históricos registrados no início da década de 2010.


Os dados – que fazem parte de um levantamento da Viva América – mostram ainda que o Brasil teve a 50ª menor taxa de rejeição de um total de 199 países.


O Brasil ficou à frente de nações como Grã-Bretanha (14,6% dos vistos negados), Nova Zelândia (13,2%), Austrália (16,7%), Chile (16,2%), China (26,6%), Canadá (52,4%) e Vaticano (14,2%).


“Desde a pandemia, a procura pelo visto americano de turismo, conhecido como B1/B2, disparou entre os brasileiros, fazendo inclusive com que o tempo de espera para a obtenção do documento atingisse filas recordes no ano passado. Por outro lado, justamente em razão desse fenômeno, nunca se falou tanto sobre como tirar o visto – e isso acabou ajudando as pessoas a melhor entenderem o processo de emissão e, portanto, a terem maiores chances de aprovação”, explica Rodrigo Costa, CEO da Viva América.


De acordo com o executivo, que mora há mais dez anos nos EUA, as medidas adotadas pela Embaixada americana no Brasil de aumentar a capacidade de atendimento das seções consulares, com o objetivo de dar conta da alta demanda pelo documento entre os brasileiros no período pós-pandemia, podem também ter resultado em uma maior disposição dos agentes em buscar a aprovação dos candidatos.


“É a diferença entre olhar o copo meio cheio ou meio vazio. Quem já passou pelo processo de pedido do visto B1/B2 sabe que, em alguns casos, a boa vontade do oficial consular conta muito. Mas, em geral, eles sempre querem aprovar a solicitação, querem que o turista vá para os EUA. E realmente tem havido muita boa vontade neste sentido nos últimos tempos”, diz Costa.


Dados do Escritório Nacional de Viagem e Turismo dos EUA (NTTO) mostram que o Brasil foi o sétimo país que mais enviou viajantes aos destinos americanos em 2022. Além disso, os brasileiros são a sexta nacionalidade que mais gasta em viagens aos EUA (US$ 6,6 bilhões), representando ainda o quarto maior superávit da balança comercial turística do país.


Ainda de acordo com o levantamento da Viva América, os três países com a maior taxa de rejeição do visto americano de turismo em 2023 foram Micronésia, Coreia do Norte e Palau, todos com 100% de pedidos negados. Libéria (78,1%) e Mauritânia (76,4%) completam a lista dos “patinhos feios”.


Na outra ponta do ranking, Mônaco e Liechtenstein tiveram 0% de rejeição, seguidos por Catar (2,5%), Uruguai (3,2%) e Israel (3,3%). A média global de rejeição em 29,6%.


Dicas para não ter o visto americano negado


O CEO da Viva América explica que, para ter o visto americano aprovado, o turista precisa demonstrar basicamente duas coisas: capacidade financeira de arcar com a viagem pelo período indicado no formulário de solicitação e vínculos fortes com o Brasil.


“O oficial consular só quer saber se você não apresenta um risco imigratório para os EUA, ou seja, se não vai ficar no país ilegalmente uma vez que entre em território americano.”


Consequentemente, esclarece Costa, a maioria das rejeições do visto americano acontece justamente porque o viajante não consegue comprovar seus laços com o País. Outros motivos de negativa do B1/B2 incluem informações desencontradas entre o que foi preenchido no formulário de solicitação e o que foi respondido na entrevista consular, eventual histórico de deportação ou de permanência indevida nos EUA, gravidez avançada (para evitar o chamado “turismo de nascimento”), condenações por crimes e questões de segurança nacional.


Costa ainda desmente o mito de que, caso o turista já tenha passagem comprada e hotel reservado, as chances de aprovação são maiores. “A verdade é isso não influencia a decisão do agente consular. Aliás, a orientação da própria Embaixada e nossa também é de que não se faça nenhum tipo de gasto sem antes ter o visto aprovado em mãos.”


Série Histórica – Taxa de rejeição do visto americano de turismo para brasileiros


Gráfico Série Histórica – Taxa de rejeição do visto americano de turismo para brasileiros

Países com as maiores taxas de rejeição do visto B1/B2 em 2023

  • Micronésia: 100,00%

  • Coreia de Norte: 100,00%

  • Palau: 100,00%

  • Libéria: 78,19%

  • Mauritânia: 76,43%

  • Laos: 72,79%

  • Ruanda: 71,09%

  • Senegal: 70,47%

  • Somália: 69,89%

  • Djibuti: 68,37%

 

Quer Viver na América?

 

Os EUA estão cheios de oportunidades para estrangeiros que querem fazer suas vidas no país. E a boa notícia é que o Viva América facilita e te ajuda durante todo o processo. Conheça os nossos produtos e serviços e saiba como viver em um dos melhores lugares do mundo em qualidade de vida, trabalho e segurança.

 

33 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page